• pt
Mesa que dirigiu a sessão de abertura do II Seminário Nacional dos CEPs 1024x663
Seminário Nacional define Plano Director da CTA
26/04/2015
Participantes do debate sobre a restruturação e revitalização da cabotagem marítima em Moçambique
Cabotagem marítima moçambicana: Identificados principais constrangimentos
30/04/2015

35 mil pessoas superlotam Festival Tropical Zouk

Kassav em concerto no festival zouk

Mais 35 mil pessoas acorreram ao Campo do Maxaquene, nos dias 24 e 25 de Abril, para assistir à quarta edição do Maputo Festival Tropical Zouk, o maior evento deste género musical no País e no continente africano, que decorre anualmente na cidade de Maputo.
O local tornou-se, literalmente, pequeno para acolher o público que quis ver e ouvir os músicos e bandas nacionais e internacionais fazedores da música zouk que, nos dois dias, partilharam o palco do festival, que já é uma referência nos países de expressão portuguesa, e não só.

Uma das atracções do primeiro dia do festival foi a banda Mobass, para além das brilhantes actuações dos Tabanka Djaz, Jean Michael Rotin, Ary, Kaysha e dos moçambicanos Cláudio Ismael, Júlia Duarte, C. Duarte, Slowly e Calisto Ferreira.

Já no sábado, dia 25, coube à banda Kassav levar o público ao delírio, ao interpretar os seus temas de sucesso, na sua maioria antigos, mas sobejamente conhecidos pelos seus fiéis amantes.

O segundo dia do festival foi igualmente marcado pelas actuações dos músicos Abuchamo Munhoto, Humberto Luís, Twenty Fingers, Euridse Jeque, Swit, Grace Évora, Suzana Lubrano, Yola Semedo e Kyaku Kyadaff.

O denominador comum, entre todos os artistas e bandas, foi a excelente performance em palco e a interacção com os espectadores, que viram superadas as suas expectativas em relação à qualidade do evento.

Entretanto, a quarta edição do Maputo Festival Tropical Zouk serviu, por um lado, para promover o reencontro entre o público e músicos e bandas que, por várias razões, andam distantes dos palcos há anos, como são os casos de Swit e do projecto Mobass.

Por outro lado, foi uma oportunidade para alguns artistas pisarem, pela primeira vez, o palco do maior evento de música zouk do continente. A nova promessa da música moçambicana, Euridse Jeque, e os angolanos Kyaku Kyadaff e Ary são disso exemplo.

Quem também esteve a assistir ao festival, na noite do dia 25, foi o Primeiro-Ministro, Carlos Agostinho do Rosário, tendo sido recebido pelo Administrador Delegado da mcel, António Saíze e o Administrador Comercial, Cláudio Chiche.

“A troca de sinergias entre os artistas que participam neste festival promove os nossos valores culturais e enaltece a música moçambicana. É importante que hajam eventos deste género no País”, considerou o nosso Primeiro-Ministro.

Por seu turno, Cláudio Chiche, Administrador Comercial da mcel, patrocinador oficial do festival, fez um balanço positivo da quarta edição do Maputo Festival Tropical Zouk, a julgar pela organização e adesão do público.

“O Festival Zouk transformou-se numa referência do mercado musical do nosso País e do continente. É um sucesso, sem dúvida, e a adesão do público é disso prova. Um evento deste género e magnitude já fazia falta, por isso a mcel apostou neste projecto, que já vai na sua quarta edição”, afirmou Cláudio Chiche.

 

Kassav em concerto no festival zouk

Kassav em concerto no festival zouk

 

Kassav em concerto no festival zouk 1

Kassav em concerto no festival zouk

 

Euridse Jeque no festival zouk

Euridse Jeque no festival zouk

 

Swit em concerto no festival zouk

Swit em concerto no festival zouk

 

Tabanka Djazz em concerto no festival zouk

Tabanka Djazz em concerto no festival zouk

 

Carlos Agostinho do Rosario - primeiro Ministro

Carlos Agostinho do Rosario – primeiro Ministro

 

Claudio Chiche - Administrador Comercial da mcel

Claudio Chiche – Administrador Comercial da mcel