• pt
Facebook Grátis mcel
Comunicado Facebook Grátis na mcel
29/10/2015
Final em femininos
Comunicado mcel sobre Basquete Show
31/10/2015

Comunicado da Universidade Politécnica: palestra sobre Fraude Académica

Ivan Collinson Director do Conselho Nacional de Exames Certificação e Equivalências

O Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano promete reforçar os mecanismos de controlo de todas as fases dos exames, em particular os extraordinários, para evitar a ocorrência de casos de fraude, um fenómeno que tem caracterizado este processo nos últimos anos.
De acordo com Ivan Collinson, Director do Conselho Nacional de Exames, Certificação e Equivalências, este problema já está a ter contornos alarmantes na medida em que os casos tendem a aumentar.
Por exemplo, no período 2013-2014 o número de fraudes aumentou em 41% e de 2014 a 2015 foi registado um recorde de 53% a nível nacional, o que revela que muitos examinandos tendem a recorrer a este mecanismo como forma de obter bons resultados.
No que diz respeito aos últimos exames extraordinários, no princípio foram detectados 101 casos de fraude, número que disparou para 407 durante a fase da correcção, tendo os envolvidos, neste caso os examinandos, sido reprovados.
Entretanto, apesar disso, Ivan Collinson considera que “estes números representam um universo muito pequeno, o que nos dá a garantia de que a população que recorre aos exames extraordinários não opta por este tipo de mecanismo para obter boas notas”.
Enquanto o Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano não reforça os mecanismos de controlo, Ivan Collinson afirmou que “continuaremos a apostar em campanhas de sensibilização à sociedade para que não recorra à fraude como opção para ter bom desempenho”.
“Para além disso, temos um pacote adicional de medidas que passam por reflectir sobre o papel dos supervisores, mecanismos de controlo de acesso aos locais de realização de exames e outras de implementação imediata e a médio prazo”, disse o Director do Conselho Nacional de Exames, Certificação e Equivalências do Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano.
Num outro desenvolvimento, Ivan Collinson descartou a possibilidade de a ocorrência de fraudes estar ligada a fragilidades do processo pois, garante, “temos actores internos e externos preparados para garantir que o sistema seja protegido o suficiente para evitar este tipo de constrangimentos”.
O Director do Conselho Nacional de Exames, Certificação e Equivalências do Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano teceu estes comentários na quinta-feira, 29 de Outubro, durante uma palestra promovida pela ESGCT-Escola Superior de Gestão Ciências e Tecnologias, no âmbito da celebração dos 20 anos da Universidade Politécnica.

O debate, que decorreu sob o lema “Fraude Académica, Cultura Universitária?”, tinha como objectivo consciencializar os estudantes sobre a necessidade de não optarem pela fraude como meio de obter boas notas para poder ter rápido enquadramento no mercado de trabalho.

 

Ivan Collinson Director do Conselho Nacional de Exames Certificação e Equivalências

Ivan Collinson Director do Conselho Nacional de Exames Certificação e Equivalências

 

Pormenor da palestra sobre a fraude académica

Pormenor da palestra sobre a fraude académica