• pt
Fáusio Mussá - Economista Chefe do Standard Bank
Standard Bank prevê que PIB moçambicano cresça a ritmo mais lento
14/05/2015
Lourenco do Rosario - Reitor da Politecnica
Ao escritor Mia Couto: Universidade Politécnica atribui doutoramento Honoris Causa
16/05/2015

CTA quer Conselhos Empresariais Provinciais mais activos

Mesa que presidiu à conferência de imprensa 2

Os Conselhos Empresariais Provinciais devem ser capazes de conduzir o Diálogo Público-Privado e identificar os problemas com que se debatem os empresários a nível das províncias, como forma de contribuir para a melhoria do ambiente de negócios no País. Daí que a Confederação das Associações Económicas de Moçambique, no seu plano de actividades para 2015 aprovado esta quinta-feira, 14 de Maio, durante a XVIIª Assembleia-Geral Ordinária, pretende dotar estes organismos de pessoal qualificado e instalações apetrechadas, como forma de conferir mais dinâmica às acções de identificação e resolução das preocupações do sector privado nas províncias.
O alcance deste desiderato passa ainda, de acordo com o plano de actividades, pelo melhoramento da articulação entre as associações, Conselhos Empresariais Provinciais e a CTA, assim como pela auscultação constante das preocupações do empresariado nacional.
Ainda no encontro, para além da aprovação ao plano de actividades e orçamento para o presente ano, de acordo com Salimo Abdula, Presidente da Mesa da Assembleia Geral, foram também aprovados os relatórios de contas e de actividades referentes ao ano 2014, marcado pela aquisição das instalações onde funciona a nova sede da CTA.
No encontro, Quessânias Matsombe, Presidente do Conselho Fiscal da Confederação das Associações Económicas de Moçambique, explicou que, em 2014, a agremiação alargou a sua base de receitas e melhorou as linhas de comunicação com o Governo.
“Notamos com grande satisfação o crescimento da CTA. Alargámos a nossa base de receitas, o que reduziu a nossa dependência em termos de sustentabilidade financeira. Isso permitiu-nos adquirir as instalações onde funciona a sede”, afirmou Quessânias Matsombe.
Em relação às linhas de comunicação com o Governo, o Presidente do Conselho Fiscal da CTA referiu que o maior ganho foi a “mudança do Ministério da Indústria e Comércio para o Primeiro-Ministro como nosso interlocutor no Diálogo Público-Privado”.
Ainda na última quinta-feira, a CTA participou no encontro com a missão empresarial dos Estados Unidos da América, organizado em parceira com o Centro de Promoção de Investimentos e a Câmara de Comércio Moçambique-EUA.
A missão, composta por representantes de mais de 20 empresas de diversas áreas, deslocou-se a Moçambique com o objectivo de pesquisar as oportunidades de negócio que o País oferece.
Nesse sentido, a Confederação das Associações Económicas de Moçambique apontou os sectores da agricultura, turismo, transportes e indústria extractiva como os que podem, facilmente, gerar parcerias.
Refira-se que, em 2010, as relações comerciais entre Moçambique e os Estados Unidos da América representavam 1% do comércio externo total de Moçambique, tendo subido até 10% em 2013.

 

Mesa que presidiu à conferência de imprensa  2

Mesa que presidiu à conferência de imprensa

 

Participantes da XVII Sessão Ordinária da Assembleia-Geral da CTA 1

Participantes da XVII Sessão Ordinária da Assembleia-Geral da CTA

 

Quessanias Matsombe - Presidente do Conselho Fiscal da CTA 3

Quessanias Matsombe – Presidente do Conselho Fiscal da CTA

 

Salimo Abdula - Presidente da Mesa da Assembleia-Geral da CTA 4

Salimo Abdula – Presidente da Mesa da Assembleia-Geral da CTA