• pt
Encontro de apresentação do novo Coordenador de Programas Arnaldo Nhavoto
Antigo ministro da Educação: Arnaldo Nhavoto junta-se à Universidade Politécnica
02/07/2015
Crianças da Escola Primária Completa Unidade 2 - no lançamento do Projecto Grito da Criança 1
Acidentes de viação provocam por ano morte de cerca de 1.700 crianças e danos materiais estimados em 90 milhões USD
03/07/2015

Face à acentuada desvalorização do Metical: CTA alerta para risco do aumento dos preços dos produtos de primeira necessidade

Hee Yoon Kang - Embaixador da Coreia em Moçambique

A Confederação das Associações Económicas de Moçambique (CTA) alerta para o risco do aumento dos preços dos produtos de primeira necessidade, devido à acentuada desvalorização da moeda nacional, o Metical, face ao Dólar norte-americano.
O risco resulta do facto de o País depender de importações, com destaque para os produtos de primeira necessidade, cujos preços tendem a aumentar devido à valorização da moeda norte-americana.
De acordo com Rogério Manuel, presidente da CTA, que falava esta quinta-feira, 2 de Julho, durante o Fórum de Cooperação Industrial Moçambique-Coreia do Sul, “os importadores estão a ressentir-se desta desvalorização e o consumidor final pode ser muito prejudicado. Neste momento, a desvalorização do Metical tem beneficiado única e exclusivamente aos exportadores”.
Face a esta situação, Rogério Manuel diz que o sector privado está a trabalhar em coordenação com o Banco Central, no sentido de encontrar uma solução para este problema.
“Uma delas seria a criação de uma espécie de almofada para os importadores de produtos essenciais, tais como o trigo, arroz, entre outros, para que o efeito desta desvalorização não seja tão negativo. Porém, não sabemos até que ponto o Governo estaria disposto a aceitar esta proposta ou se tem condições para a sua implementação, explicou o presidente da CTA.
O Fórum de Cooperação Industrial Moçambique-Coreia do Sul contou com a presença do vice-ministro da Indústria e Comércio, Omar Mithá, que considera que o País pode tirar vantagens da cooperação com aquele gigante asiático, para acrescentar valor aos seus produtos.
“A Coreia do Sul é um país avançado no que diz respeito à tecnologia, indústria automóvel, electrónica, e em outras áreas. Os recursos de que Moçambique dispõe exigem uma tecnologia de ponta. Devemos acrescentar valor aos nossos recursos (gás, carvão, etc.) e produtos, inclusive os agrícolas, para que possam estar no mercado”, disse Omar Mithá.
Por seu turno, o embaixador da Coreia do Sul em Moçambique, Hee Yoon Kang, acredita que as trocas comerciais entre os dois países poderão crescer, sendo que o encontro desta quinta-feira poderá contribuir para tal uma vez que juntou homens de negócio de ambas as partes.
A Coreia do Sul ocupa a 7ª posição no que diz respeito ao comércio internacional, com 1.3 trilhão de dólares de volume de negócios externo, sendo que as trocas comerciais com Moçambique atingiram em 2014 cerca de 100 milhões de dólares.

 

Hee Yoon Kang - Embaixador da Coreia em  Moçambique

Hee Yoon Kang – Embaixador da Coreia em  Moçambique

 

Omar Mithá - Vice-Ministro da Indústria e Comércio

Omar Mithá – Vice-Ministro da Indústria e Comércio

 

Rogério Manuel - Presidente da CTA

Rogério Manuel – Presidente da CTA

 

Participantes no Fórum de Cooperação Industrial Moçambique-Coreia

Participantes no Fórum de Cooperação Industrial Moçambique-Coreia

 

Participantes no Fórum de Cooperação Industrial Moçambique-Coreia 1

Participantes no Fórum de Cooperação Industrial Moçambique-Coreia