• pt
André Du Plessis - Director da Banca Corporativa e de Investimentos do Standard Bank
Mais de 500 milhões de dólares norte-americanos em 2014: Standard Bank investiu em telecomunicações, energia, gás, construção civil, agro-indústria, manufactura, mineração e infraestruturas
20/01/2015
Acto da entrega da taça aos vencedores do voleibol em femininos
12ª edição do Campeonato Nacional de Vólei de Praia: Conhecidos os vencedores
26/01/2015

Instalação de central de emergência: Nacala recebe de novo energia da EDM

Grupo de geradores da central de ponta

O fornecimento de energia eléctrica para o sistema de abastecimento de água potável às populações e às unidades sanitárias, entre outros serviços sociais, na cidade portuária de Nacala, na província de Nampula, passou, desde segunda-feira última, 19 de Janeiro, a ser assegurado por uma nova central de emergência, com capacidade instalada de 18 megawatts.
Esta iniciativa, da Electricidade de Moçambique E.P. (EDM), surge na sequência do derrube de 10 torres de transporte de corrente eléctrica na província da Zambézia, como resultado da fúria das águas originadas pelas intensas chuvas, que se registam nas regiões Centro e Norte do País. O incidente deixou quarto províncias sem energia eléctrica, incluindo esta zona económica em franco crescimento.
Para minimizar o impacto da falta de energia em Nacala, a EDM teve que reconfigurar a central eléctrica, que tinha sido concebida para compensar o défice de energia nas horas de ponta naquela autarquia, passando, deste modo, a operar em regime de emergência.
Conforme explicou Carlos Yum, Administrador Executivo da EDM, a central de emergência vai operar entre 12 a 14 horas por dia, garantindo o fornecimento de energia eléctrica, de acordo com a capacidade instalada de 18 megawatts, “que representam o consumo de quase metade de Nacala e talvez 60 por cento de Nampula”.
Entretanto, conforme esclareceu o Administrador Executivo da EDM, neste momento, devido às limitações de carácter técnico, a empresa apenas vai injectar 11 megawatts produzidas por esta central, até que sejam ultrapassados, do lado da rede, alguns constragimentos, o que irá permitir uma injecção de 18 megawatts”.
Para já, aquela infraestrutura eléctrica vai fornecer, em Nacala, as cargas seleccionadas, nomeadamente hospitais e FIPAG, incluindo a cidade de Nampula, sendo que a produção dos 11 megawatts previstos vai requerer, por parte da EDM, um investimento avultado em combustível, para além do custo de aluguer dos geradores.
Importa realçar que a EDM projectou a central de ponta, em Dezembro passado, antes do registo da situação provocada pelo derrube das 10 torres de transporte de corrente eléctrica na província da Zambézia, com o objectivo de suprir algumas horas de restrições em Nacala.
“Esta central tinha sido concebida para funcionar num regime de quarto ou cinco horas por dia, por forma a compensar o défice no fornecimento de energia nas horas de ponta, apesar do transporte da linha Centro-Norte”, realçou Carlos Yum, ajuntando que “tivemos que fazer algumas alterações técnicas a nível da infraestrutura, incluindo outros compromissos de logística em termos de fornecimento de combustível”.
“Isto tudo foi concluido agora. A EDM iniciou os testes sobre o funcionamento das máquinas e de segurança, tendo-se mostrado positiva, daí que a partir de 19 de Janeiro entraram em funcionamento”, finalizou.

 

Grupo de geradores da central de ponta

Grupo de geradores da central de ponta

 

Administrador Executivo da EDM no centro trocando impressões com os técnicos

Administrador Executivo da EDM no centro trocando impressões com os técnicos

 

Carlos Yum - Administrador Executivo da EDM

Carlos Yum – Administrador Executivo da EDM