• pt
Carlos Mondlane Presidente da AMJ
Juiz do Tribunal dos Direitos Humanos defende responsabilização criminal das pessoas colectivas
23/08/2017
inss
INSS divulga benefícios de se contribuir para a Segurança Social
24/08/2017

Lançado programa de formação sobre mitigação da corrupção em Moçambique

David Jorge Seie Director Executivo do IODmz

O Instituto de Directores de Moçambique (IODmz) lançou, na cidade de Maputo, o programa de formação para mitigação dos riscos de corrupção em Moçambique.

Trata-se de um programa que visa incluir a ética e a integridade nas actividades dos sectores público e privado, bem como dotar as empresas nacionais de ferramentas que contêm padrões universais de conhecimentos suficientes sobre a mitigação dos riscos de corrupção na cadeia de valores globais.

A iniciativa, levada a cabo recentemente pelo IODmz e que reuniu na mesma sala empresários e representantes de instituições públicas e privadas, conta com o apoio do Centro para Empresas Privadas Internacionais-CIPE, um órgão da Câmara de Comércio dos Estados Unidos da América, em parceria com o Centro de Integridade Pública-CIP e a Bolsa de Valores de Moçambique-BVM.

Na intervenção que marcou o lançamento do programa, o director executivo do IODmz, David Seie, contextualizou esta iniciativa assumindo que tal resulta do desenvolvimento de uma parceria entre o IODmz e o CIPE, no quadro das acções da rede africana de governação corporativa.

“Este é um programa necessário para criar mudanças nas organizações, impulsionando a reputação da marca e a rendibilidade do negócio, porquanto designado por Mitigação dos Riscos de Corrupção em cadeia de valor global, pois quando entramos numa organização, não queremos avaliar apenas um determinado sector em relação às boas práticas, mas sim a organização como um todo”, explicou.

David Seie, que considerou de crítica a situação da corrupção em Moçambique, afirmando que a capacidade de controlo de corrupção em Moçambique é classificada pelo Instituto de Banco Mundial (2002) como sendo uma das piores da região da SADC e, de acordo o Índice de Percepção de Corrupção (IPC), no universo de 176 Países, Transparência Internacional classifica Moçambique como estando na posição de 105 no ano de 2014, 112 (+7) em 2015 e 142 (+30) em 2016. Por fim, David Seie apelou as empresas nacionais, públicas e privadas, para aderirem em massa ao programa de formação.

“Este programa de formação trará mudanças significativas para as empresas, ajudando-as a alcançar os seus objectivos estratégicos e sempre baseadas nos principais pilares de uma boa Governação Corporativa, nomeadamente, a Transparência, Prestação de Contas, Justiça entre os accionistas, Responsabilidade e Integridade”, acrescentou.

Discursando também no evento, o presidente do Conselho de Administração da BVM, Salim Valá, lembrou aos presentes que a sua instituição é parceira do IODmz nesta iniciativa por também estar empenhada na promoção das acções de boa governação e de transparência no seio das empresas nacionais.

“A ética profissional das empresas, na óptica da BVM, deve constituir um grande objectivo no tocante às estratégias por si desenhadas. Sabemos que elas buscam o lucro, mas essa busca incessante pelo lucro deve ser feita com o respaldo de valores éticos”, manifestou Salim Valá, que considerou que os negócios sustentáveis, na actualidade, são todos aqueles feitos com ética.

O director Regional para África do CIPE, Lars Benson, defendeu, por sua vez, que a corrupção é um mal que afecta os negócios em todo o mundo, razão pela qual o seu custo é elevadíssimo pois quebra, igualmente, a confiança que se deve depositar nas empresas.
De acordo com Lars Benson, os negócios feitos com base na corrupção podem render ganhos financeiros imediatos, todavia “vão custar muito caro no final, tanto a nível do dinheiro como também da reputação da empresa e dos seus gestores”.

Por isso, recomendou Lars, é importante e indispensável que as empresas nacionais adiram ao programa de formação para mitigação dos riscos de corrupção em Moçambique, por forma a tornarem os seus negócios sustentáveis.

De referir que este programa de formação, que terá início no próximo mês de Setembro, irá decorrer em todas as províncias do País, sendo o mesmo destinado aos administradores de nível superior e médio, bem como a todos aqueles que trabalham nas áreas de aquisições, jurídica, Auditoria Interna, Gestão de Risco, Conformidade e Ética. Em Moçambique, o CIPE formou e certificou três formadores nacionais ligados ao IODmz para ministrar este programa.

 

David Jorge Seie Director Executivo do IODmz

David Jorge Seie Director Executivo do IODmz

 

Lars Benson Director Regional para África CIPE USA

Lars Benson Director Regional para África CIPE USA

 

Salim Valá PCA da Bolsa de Valores de Moçambique

Salim Valá PCA da Bolsa de Valores de Moçambique

 

Participantes

Participantes