• pt
Aperto de mão entre Administrador Delegado do Standard Bank Chuma Nwokocha e Carlos Mesquita Ministro dos Transportes e Comunicações
Snapscan: Standard Bank apresenta meio de pagamento inovador
07/05/2015
Lourenço do Rosário nomeado presidente da Comissão Nacional do Instituto Internacional da Língua Portuguesa para Moçambique
09/05/2015

Oportunidades únicas para o empresariado nacional: Vem aí a Reunião anual do Banco Islâmico de Desenvolvimento

António Laíce - representante do Ministério da Economia e Finanças

O nosso País acolhe entre os dias 8 e 11 de Junho próximo a reunião anual do Banco Islâmico de Desenvolvimento (BID), uma instituição que tem como objectivo proporcionar o desenvolvimento económico e social dos seus países membros, através da concessão de crédito para projectos e empresas, incentivo ao comércio e promoção de exportações.
Nesse contexto, o Governo, através do Ministério da Economia e Finanças, na qualidade de representante do BID no País, reuniu-se na última sexta-feira, 8 de Maio, com o sector privado para apresentar as oportunidades de negócio que podem resultar deste encontro, assim como a filosofia de financiamento, produtos e serviços daquela instituição, que conta com 56 países membros, incluindo Moçambique.
Para António Laíce, representante do Ministério da Economia e Finanças, esta reunião trará “inúmeras vantagens para o País e para o sector privado, em particular, com destaque para os que operam nas áreas de hotelaria, transportes e restauração”.
“Participarão na encontro cerca de 700 pessoas em representação dos 56 países membros do BID e é lógico que os sectores de hotelaria, restauração e transportes, e não só, sairão a ganhar com este evento. Estão previstos seminários, reuniões estatutárias internas do banco, apresentações, exposições, etc.”, disse.
Em relação ao financiamento, António Laíce explicou que o Banco Islâmico de Desenvolvimento distingue-se dos bancos convencionais ou comerciais, na medida em que “não aplica taxas de juro nos créditos que concede, mas sim comissões de serviços que estão abaixo de 1%.”
O sector privado, durante o encontro, poderá apresentar as suas ideias e informar-se das janelas e modalidades que o Banco Islâmico de Desenvolvimento usa para financiar projectos, explicou o representante do Ministério da Economia e Finanças.
Por seu turno, Eduardo Macuácua, Director Executivo Adjunto da Confederação das Associações Económicas de Moçambique (CTA), referiu que o sector privado em coordenação com o Governo, através do Centro de Promoção de Investimentos, já está a preparar-se para não só participar na reunião, mas também, e acima de tudo, apresentar projectos e oportunidades de negócio que o País oferece e, quiçá, firmar parcerias.
Por isso, no dia 8 de Junho, a CTA vai organizar o Fórum do Sector Privado, durante o qual será discutido o papel do sector privado no desenvolvimento dos países membros do BID, em particular os africanos.
“É uma oportunidade ímpar para o sector privado, porque o encontro vai trazer informações sobre produtos e serviços do BID, que tem uma política de financiamento diferente da banca tradicional, e janelas para possíveis parcerias”, concluiu.

António Laíce - representante do Ministério da Economia e Finanças

António Laíce – representante do Ministério da Economia e Finanças

 

Eduardo Macuácua - Director Executivo Adjunto da CTA

Eduardo Macuácua – Director Executivo Adjunto da CTA