• pt
Pormenor da formação sobre conteúdo local
PME’s capacitam-se em conteúdo local
26/08/2015
Mia Couto
Doutor Honoris Causa Mia Couto: “Estamos empenhados em assuntos como empresas e empreendedorismo, como se todos os nossos filhos estivessem destinados a serem empresários”
03/09/2015

Para alavancar o sector da agricultura: Sector privado lamenta escassez de recursos públicos

Filipe Nyusi Presidente da República

O sector privado moçambicano defende a necessidade do aumento de recursos, sobretudo públicos, para financiar a compra de máquinas e equipamentos, como forma de alavancar o sector da agricultura, tido como o que apresenta baixos rendimentos comparativamente aos restantes.
É que, apesar de absorver cerca de 70 por cento da mão-de-obra activa no País e ser considerado a base da economia, o sector da agricultura é o que menos recebe em recursos para investimento e modernização dos processos produtivos.
Estes factores- aliados à exposição às calamidades naturais, agravados pela ausência de seguros agrícolas, à falta de bens por parte dos operadores para apresentar como garantias e à exiguidade de produtos financeiros ajustados ao ciclo de produção – fazem com que esta actividade seja considerada de alto risco.
Para encontrar soluções a estes constrangimentos, a Confederação das Associações Económicas de Moçambique (CTA) organizou na última quinta-feira, 27 de Agosto, um Fórum Empresarial de Negócios, subordinado ao tema “Visão e Estratégia de Desenvolvimento do Sector Agrário para Gerar Emprego, Renda e Fazer Crescer Moçambique”.
O evento contou com a participação do Presidente da República, Filipe Nyusi, que no seu discurso se mostrou preocupado com os baixos níveis de produção e produtividade do sector, um dos que menos contribui para a economia do País.
“O nível de produção e de produtividade continua aquém da satisfação ou das necessidades do País. Continuamos com problemas de vulnerabilidade na segurança alimentar”, apesar de ser o sector que mais contribuiu para a formação do Produto Interno Bruto nos últimos 10 anos, com uma média de 23% por ano.
Para reverter este cenário, o Chefe do Estado apontou várias acções que deverão ser levadas a cabo, com vista a alavancar este sector, tais como a formação do homem, modernização da agricultura, aposta na irrigação, desenvolvimento de corredores agrários, investimento em infra-estruturas de irrigação, transformação de extensionistas em agricultores pilotos, facilitação do financiamento, redução de taxas, estabelecimento de sobretaxas para a protecção de produtos nacionais, introdução de cooperativas de crédito, entre outras.
Por seu turno, o Presidente da Confederação das Associações Económicas de Moçambique, Rogério Manuel, entende que o sector da agricultura “requer abordagens que possam fazer do campo e da agricultura a fonte de riqueza e de produção de alimentos, o que contribuirá para a redução da dependência em relação às importações de produtos básicos para a alimentação e indústria transformadora”.

 

Filipe Nyusi  Presidente da República

Filipe Nyusi  Presidente da República

 

Filipe Nyusi  Presidente da República - no Forum Empresarial de Negocios

Filipe Nyusi  Presidente da República – no Forum Empresarial de Negócios

 

Rogério Manuel Presidente CTA

 

Rogério Manuel Presidente CTA

 

Participantes no Forum Empresarial de Negocios

 

Participantes no Forum Empresarial de Negócios