• pt
Conferência de Imprensa do concerto alusivo aos 10 anos da Banda Kakana
No arranque do Verão Amarelo: Banda Kakana promove concerto alusivo aos seus 10 anos
30/10/2014
Yolanda Kakana e Sérgio Muiambo
Concerto da Banda Kakana supera expectativas
02/11/2014

Standard Bank associa-se ao Dia Mundial da Poupança

Ernesto Gove - Governador do Banco de Moçambique

No âmbito do Dia Mundial da Poupança, que se assinala no último dia útil do mês de Outubro, o Standard Bank promoveu palestras na Escola Secundária Josina Machel e no Instituto Comercial de Maputo com o objectivo de explicar aos alunos a importância e as vantagens de poupar.
Para além de palestras, foram organizados concursos que tinham em vista aferir o nível de conhecimento de noções básicas sobre finanças, por parte dos alunos destas duas instituições de ensino.

Segundo explicou Camal Daúde, representante do Standard Bank, “estas acções têm o objectivo de ajudar a camada juvenil e estudantil a obter conhecimentos sobre este tipo de matéria, nomeadamente inclusão financeira, bancarização, que é um aspecto importante para o desenvolvimento do País”.

As cerimónias centrais do Dia Mundial da Poupança, organizadas pelo Banco de Moçambique, tiveram lugar na Escola Primária Completa 7 de Setembro, na cidade de Maputo e contaram com a participação do Standard Bank e várias outras instituições financeiras.

Camal Daúde afirmou que o Standard Bank juntou-se a esta iniciativa porque considera ser responsabilidade de todos intervenientes promover a inclusão e educação financeira e a bancarização dos cidadãos.

Na cerimónia, o governador do Banco de Moçambique, Ernesto Gove, referiu que as celebrações do Dia Mundial da Poupança, que acontecem pela primeira vez no País, vêm complementar as acções que estão a ser levadas a cabo com o objectivo de melhorar o acesso e uso dos serviços financeiros por parte cada vez maior parte dos moçambicanos.

Ernesto Gove ressalvou que, como resultado dessas acções, “hoje as operações de movimentação de dinheiro também podem ser feitas mesmo onde não haja bancos, recorrendo-se, por exemplo, ao telefone ou computador”.

“Nós, como Banco de Moçambique, temos a responsabilidade de traçar e implementar um programa de educação financeira para transmitir conhecimentos relacionados com as actividades dos bancos comerciais como depósito, conta bancária, poupança, empréstimo, entre outros. Queremos que muitas pessoas beneficiem desses serviços. A isso chamamos de inclusão financeira”, acrescentou.

No contexto do programa de educação financeira, o governador do Banco de Moçambique fez saber que estão previstas, entre outras realizações, palestras sobre a poupança e sobre os meios de realização da mesma, tais como depósitos a prazo, entre outros.

Numa primeira fase, “serão abrangidas crianças e jovens com idades compreendidas entre os seis e 18 anos e professores, pois estes últimos ocupam uma posição privilegiada na sociedade, enquanto disseminadores de informação e agentes de introdução de mudanças comportamentais”.

 

Ernesto Gove - Governador do Banco de Moçambique

Ernesto Gove – Governador do Banco de Moçambique

 

Camal Daude - representante do Standard Bank

Camal Daude – representante do Standard Bank

 

Estudantes da Escola Comercial durante uma palestra promovida pelo Standard Bank 02

Estudantes da Escola Comercial durante uma palestra promovida pelo Standard Bank

 

Estudantes da Escola Comercial durante uma palestra promovida pelo Standard Bank 02 2

 

Estudantes da Escola Secundária Josina Machel durante uma palestra promovida pelo Standard Bank 01

Estudantes da Escola Secundária Josina Machel durante uma palestra promovida pelo Standard Bank