• pt
Entrega de certificado pelo Reitor da Universidade Politécnica a uma das melhores alunas da Escola Secundária das Acácias
Ano 2015 na Escola Secundária das Acácias: Aprovações entre a 8ª e a 12ª classe superaram 86%
08/02/2016
Acto de assinatura do memorando
mcel passa a conceder benefícios a mais de 1.400 advogados inscritos na Ordem
11/02/2016

Virgília Ferrão lança “Inspector de Xindzimila”

É lançado na próxima sexta-feira, 12 de Fevereiro, no Centro Kosmoz, na cidade de Maputo, o livro “O Inspector de Xindzimila”, uma obra da autoria de Virgília Ferrão que nos remete à redescoberta de valores como a humildade, a família e o amor, com uma dose de suspense.
“O Inspector de Xindzimila” conta a história de um inspector, Dionísio, que, ao regressar à sua terra natal, a pequena e pacata vila Xindzimila, em Moçambique, já sabia que teria de enfrentar o seu pai e uma antiga mágoa guardada.
Além disso, Dionísio traz consigo uma revelação que pode vir a surtir inimizades na família. O inspector só não esperava, no meio de tudo isto, apaixonar-se por Quina, uma moça da vila, com quem tem um breve romance.
Simultaneamente a estes eventos, desencadeiam-se uma série de infortúnios, envolvendo misteriosos assassinatos na vila. Assim que o inspector se dá conta de que as mortes estão, de alguma forma, ligadas a ele, o sonho de melhorar a vila e o de viver uma história de amor ficam perdidos.
O inspector inicia uma batalha para deter o assassino, ao mesmo tempo que se questiona se Xindzimila continua realmente a ser a sua terra.

Virgília Leonilde Ferrão nasceu a 3 de Outubro de 1986 na cidade de Maputo. Em 2008 formou-se em Direito, tendo, entre 2008 e 2010, trabalhado como consultora jurídica júnior na empresa Sal e Caldeira, Lda.
Em 2011 parte para Melbourne, Austrália, para fazer o mestrado em Ambiente, estando actualmente a trabalhar na Pimenta & Associados como consultora jurídica.
Lançou a sua primeira obra literária intitulada “O Romeu é Xingondo e a Julieta é Machangana”, em 2005, sob o pseudónimo de Awaji Malunga. A obra teve a chancela da Imprensa Universitária de Maputo.