• pt
Ruben Chivale orador
Ao tomar decisões inerentes às suas responsabilidades‎: Dirigentes de empresas aprendem a proteger-se
21/04/2016
Mesa que presidiu a cerimónia de lançamento do concurso literário
Prémio uniformizado de 150 mil meticais: Lançado Concurso Literário da TDM
21/04/2016

Volume de operações nos últimos 12 anos: Porto de Maputo cresceu 286 por cento

Pedro Inglês Secretário Permanente do Ministério dos Transportes e Comunicações

A Sociedade de Desenvolvimento do Porto de Maputo (MPDC), companhia que gere o porto da capital moçambicana, desde 2003, realizou, nos últimos 12 anos, um investimento na ordem de 700 milhões de dólares norte-americanos, em dragagem, galpões, lajes, estradas, portões, sistemas de comunicação e informação e equipamentos.
Intervindo na V Conferência Anual do Porto de Maputo, ocorrida quarta-feira, 20 de Abril, em Maputo, o director executivo da MPDC, Osório Lucas, disse que a companhia alcançou vários êxitos desde o início do período de concessão: “entre 2003 e 2015 obteve um crescimento no volume de operações na ordem dos 286 por cento”, sustentou.
Durante esse período foram feitos importantes investimentos na ordem de 700 milhões de dólares norte-americanos, com particular incidência para a dragagem, o que permitiu a entrada de navios com capacidade de carga de 70 mil toneladas, para além da melhoria da eficiência das taxas de movimentação de carga, com a aquisição de duas gruas móveis.
“No primeiro ano em que o Porto de Maputo foi concessionado pelo Governo à MPDC, em 2003, foram investidos 56 milhões de dólares, estimando-se que até 2033, o investimento atinja dois biliões”, indicou Osório Lucas.
Intervindo, em representação do ministro dos Transportes e Comunicações, o secretário permanente deste ministério, Pedro Augusto Inglês, disse que este é um ano para se falar da reinvenção: “Não baixemos os braços perante a crise. Há que enfrentar as dificuldades com um novo olhar. Esta crise é uma oportunidade para revermos, a todos os níveis, os nossos processos internos de gestão e de produção”, sustentou.
A inovação, segundo explicou, “passa por aproveitarmos ao máximo os nossos recursos e encontrarmos soluções conjuntas, pois os reais benefícios económicos e sociais que todos buscamos só poderão ser atingidos se tivermos a capacidade de alinhar os investimentos e prioridades de todos os intervenientes da cadeia logística”.
Num outro desenvolvimento, Pedro Inglês referiu que o Porto de Maputo, bem como os outros portos do País, são portas de entrada e saída privilegiadas, que operam em complementaridade com os outros portos da região que também buscam melhores soluções logísticas.
“É, por isso, fundamental que busquemos a melhoria da eficiência em cada um dos actores que interferem na cadeia logística, encontrando soluções de integração regional e tentando explorar as potencialidades individuais”, indicou, ajuntando que “clientes, transportadores, Alfândegas, linhas de navegação e agentes têm, nesta crise económica, uma oportunidade ímpar de descobrir, juntos, como reduzir os custos da cadeia e melhorar a eficiência por forma a tornarmo-nos mais competitivos”.
Importa realçar que a V Conferência Anual do Porto de Maputo, que se realizou sob o lema “Investindo hoje com o olhar no futuro”, visa apresentar os resultados de desempenho do ano transacto e debater os desafios que o sector enfrenta, em particular o Corredor de Maputo e é promovida desde 2011.

 

Pedro Inglês Secretário Permanente do Ministério dos Transportes e Comunicações

Pedro Inglês Secretário Permanente do Ministério dos Transportes e Comunicações

 

Osório Lucas Director Executivo da Sociedade de Desenvolvimento do Porto de Maputo

Osório Lucas Director Executivo da Sociedade de Desenvolvimento do Porto de Maputo

 

Participantes

Participantes